Blogando a vida de Au Pair

E a vida continua uma caixinha de surpresas.

Quando a pessoa amadurece é certo que toma juízo, passa a ver as coisas com outros olhos, analisa antes de decidir, e existem pessoas que quando amadurecem parece que entra na fase da "envelhescencia".
Parece que eu amadureci demais e estou podre.

O título do post acho que explica que eu fiquei com vergonha alheia de mim mesma novamente.

--------------------------Pausa, breve explicação-----------------------------------------------------
Minha host family oficial foi para a França, ficam até julho por lá.
R. arrumou uma step family pra eu ficar durante esse período, deu certo e estou eu aqui em Stateline no estado de Nevada, cheguei ontem (região de Lake Tahoe - desculpa, meu quarto tem vista para o lago.beijo), e só pra constar nos autos escrevo que ontem nevou.
--------------------------- "Zé Fini"-------------------------------------------------------------------

Hoje, jantamos brócolis, batata doce (acho que era abóbora), pimentão e frango.
A pequena olha o prato com o zóio esbugalhado e começa comer. Come, come, mastiga e ela decidi soltar um elogio para a batata doce e pra minha infelicidade eu escutei.
Com tradução simultânea.
"Nhamiiiiiii"
"No, Bella, it isn`t inhame, it`s sweet potatoes" ( Não bela, isso não é inhame, é batata doce)
"Noooo, Joyce, it`s nhamiiiii a lot" ( Não, Joyce, isso é nhamiii demais)
"Bella, it`s sweet potatoes and I put in your dishe a little. Please eat your potato. ( Bella, isso  é batata doce e eu coloquei somente um pouco no seu prato, por favor coma sua batata)

Depois chega a mãe e elogia a comida que o marido fez e diz " This dinner is nhami a lot"
Aprende que NHAMIII é gostoso, sua anta de tênis.
Joyce, vá para o cantinho da disciplina agora, pense no que fez e nunca mais faça isso.

Depois do vexame, começamos a conversar e pedi o tal molho para churrasco, e meu stephost me perguntou se eu não gostava de molho de pimenta e eu disse que gostava mas que o molho de pimenta que existia aqui era muito apimentado e ele diz "Eu pensava que as brasileiras eram spice (apimentadas)", todo mundo riu da piadinha, menos eu, é claro, porque eu acho isso uma tremenda indelicadeza e eu respondi séria que algumas são e outras não.beijo.

Falando em família nova (por um mês), eu vou falar da casa nova, e pra variar das minhas panguazices.
Casa quase hightech, vários banheiros.
E lá vai a bonita novamente. Antes de ir para o meu quarto eu entro em um banheiro e levo um susto quando vou levantar a tampa do vaso, ela já estava levantada. Mas como? Eu vi o vaso tampado, piquei a minha mula dali sem antes mesmo de fechar as calças e fui para o outro banheiro.
Entrei no banheiro, e vi que a tampa levantava sozinha porque tinha sensor, achei aquilo o máximo e pensei que talvez o cocô sairia por meio de alta sucção.
Pensei, mas seria bom que fosse, não faria tanta força e conservaria algumas pregas que ainda me restam.

Coloquei minhas coisas no meu quarto e vi que lá tinha um banheiro, deixei minhas coisas e fui jantar.
Conversa vai, conversa vem, deu a hora de dormir e a vontade imensa de fazer xixi.
Ah, não deu outra, cheguei no banheiro, mania de não acender a luz do banheiro, feliz e contente pelo banheiro hightech, abaixo as calças e TOOOOOOOOOOOOOOOMA NO TOBA porque esse banheiro não é hightech, sua imbecil.
Dei com a bunda na tampa do vaso FRIA.

Conclusão: Joyce, você só não é mais tapada porque é uma só.

Minha pele está ótima e estou escorregando o moreno (ou cortando o rabo do macaco) duas vezes ao dia.
Para aqueles que ainda não entenderam eu explico melhor, é simples, meu intestino não gostava de mim e quando ele me odiava costumava a fazer o efeito contrário só pra ferrar com a minha reputação.

-------------------------------Break para o Case de (In) sucesso----------------------------------------
Certa vez, estava há quatro dias sem ir ao banheiro e resolvi tomar chá de sene e  tive a infeliz ideia de comparar o Lacto purga que não dava jeito com o chá de sene, e achei que seria mais um chá meia boca, e essa tilápia aproplégica que vos escreve decide colocar o dobro do indicado, tomei antes de deitar.
No dia seguinte, depois da panguazice feita, eu fui para uma entrevista de emprego, esperando o bus e eis que uma cólica terrível vem com tudo e o suor escorria frio pelas costas. Pelo fato de ser muito cedo, não havia nenhum supermercado aberto e eu tinha que escolher entre andar e me borrar toda ou aguentar a dor sentadinha sem soltar nenhum pum, porque se peidar você caga, filhota. Decidi ficar quietinha sentada e esperar o bus. Assim que cheguei no local, me enfiei dentro do banheiro do shopping, fiz o serviço e o aroma ficou no ar.
Pra piorar a minha situação, entram as moças da limpeza, sentem o futum e uma fala: "Ah, eu não acredito que esse esgoto deu problema de novo, ontem mesmo fulano veio e arrumou isso. Vamos lá chamar ele de novo". Assim que elas sairam, eu piquei a minha mula rapidinho.
------------------------------fim do break-----------------------------------------------------------------
Esse case serviu mostrar o quanto as minhas tripas me odeiam.

Tudo aqui na California é orgânico. As frutas são orgânicas, o pão é orgânico, o leite da melhor qualidade ( de vacas não sedentárias), yogurte non-fat, yogurte de soja glúten free (delicioso).
Café da manhã com pão integral, açúcar mascavo, mel e leite, no lunch é só legumes e o jantar ( às 18:30) com massa integral orgânico.

Eu sempre via os filmes da sessão da tarde e tinha a maior curiosidade do mundo pra saber o que era a tal pasta de amendoim, em todo bendito filme que tinha criança indo pra escola, lá estava a bendita manteiga de amendoim, e eu, claro, sempre tive essa curiosidade.
E semana passada eu vi a M. preparando um sanduíche (orgânico) com pasta de amendoim e por cima ela colocou geléia de morango (orgânica) e comeu deliciosamente.
Vai a bonita aqui de novo, pego a bendita da pasta, e eu tenho uma mania de cheirar tudo o que eu vou comer, não é pra saber se está estragado ou não, só pra identificar previamente o sabor da comida, cheirei, e o cheiro era bom, peguei uma pelota enorme daquele trem e lasquei no pão com gosto (parecia uma pata), como se eu estivesse passando leite condensado no pão ( isso, babaca, passa mais, passa), parecendo uma morta de fome abri o bocão e enfiei o pão pra dentro e automaticamente saiu um "Puta que pariu, quitute feito na valeta do inferno".
Peanut Butter (manteiga de amendoim)  é a sobremesa do capeta.

Hoje eu fui ao Safeway (mercado) comprar algumas coisas que eu precisava, e vi água de coco em latinha, tinha dois tipos, a que era feita na California e Made in México, escolhi a do México, horrível. Pense em água de coco com um leve toque de detergente e adoçada, pois bem, foi isso que eu bebi.
Antes de sair para as compras eu fui tirar meu social security, semelhante ao CPF, é um documento importante pra tirar a Drive license e abrir conta em banco, dei a sorte de não ter ninguém e fui atendida em dez minutos.
Sentei na mesa, a gordinha me pede o passaporte e meu pedido do Social Security, pessoa nada simpática e arrogante. Ela perguntando as coisas, meus documentos todos dizendo que eu nasci, vivi, cresci no Brasil e ela vai e me solta " Are you Brazilian?", ah, eu não podia perder a oportunidade e respondi " No, I'm german. Look my blue eyes and my white skin. Ok, my white skin is under my black skin".
Tolerância -1, escreveu e não leu, o pau comeu.

Concluí que os United é Spa pra brasileiro fresco que não gosta de fast FOOD"E com a sua vida".

Tô mentindo? Falo mesmo.

Voltei à S.Francisco no dia de domingo.
Ah, nada como acordar bem cedinho, ao meio-dia, ter o dia de folga, ir para San Francisco e se perder.

Eu acho que já comentei aqui o fato de Mill Valley só ter mexicanos, pois então, de tanto eu não aguentar mais ver mexicanos e derivados, hoje comecei a ver coisas diferentes, os Filipinos...rs
Eu reparei que quando se encontra uma pessoa de nacionalidade diferente na California é só olhar no rabo que atrás vem mais gente igual.
Fui às compras, mas não pra supérfluos, vou passar um mês na região de Lake Tahoe e precisei comprar casaco e luva. E onde eu entrei? Em uma loja em que todos os funcionários são filipinos.
E procurando roupas me deparo com a sessão de jeans e uma etiqueta começa a brilhar, piscar e me chamar, era o Calvin Klein, um jeans mega transado por USD 5.99, isso mesmo cinco e noventa e nove, meu número, fui provar, e o CK se esqueceu só que a minha panturrilha não é fina, enfim, não levei.

Estava muito frio em SF, cerca de quinze graus ( Celso, você se esqueceu de colocar o simbolo que representa a unidade de grau no meu teclado), e a cada esquina que eu chegava o meu black power tomava uma porrada do vento, resultado disso foi um cabelo maior do que o black power de qualquer integrante do Jackson's Five, como se isso não bastasse eu fui zoada pelo motorista que faz a linha de Mill Valley (ele já me conhece), assim que subi no bus ele olhou pra mim e disse: " Oh my goodness! The hurricane is near here?". Eu dei aquele sorriso amarelo e disse " I didn't know California had hurricanes" e tentando colocar o cabelo pra dentro do bus.

Uma coisa interessante que aconteceu nessas duas vezes que fui à SF.
Da primeira vez que eu fui, estava com muita dó de ter que pagar o bus com nota de vinte dólares, quando estou saindo de casa, na outra esquina eu olho para o chão e acho uma nota de cinco dólares (Obrigada, Deus), é claro que eu andei mais para trás pra ver se achava mais algum, e eu sou besta?
Ontem, eu estava dentro do bus, e na penúltima parada o motorista foi verificar uma porta que estava travando, e ele achou uma nota de um dólar, ele me deu porque como motorista ele não pode pegar nada que é perdido dentro do ônibus, ok, já que ele insiste a nota é minha (tem uma cam no teto do bus).

Aqui em Mill Valley é uma coisa incrível, se alguém perde algo na rua ninguém pega e deixam no lugar que está porque o dono va voltar pra pegar. Ok, dá bobeira e deixa dinheiro jogado na rua pra ver, vai sonhando.

Disse no post anterior que eu tinha feito brigadeiro e isso me lembra comida brasileira, e comida brasileira não pode faltar feijão.
Só pra constar que estou aqui desde o dia três de maio e até agora eu não vi a cara e nem cheiro do bendito feijão.
Eu fui criada a base de feijão preto (familia carioca), e em casa de preto, feijão branco não entra, no way.

Se lembram que no post anterior comentei sobre uma amiguinha da N. passar a noite aqui, pois bem.
Coloquei as crianças no banho, fiz o jantar e JJ e N estavam comendo quando às 18h45 me chega a mãe da bendita menina (detalhe, bem no meio do jantar) e foi aquela fuzaca de alegria por ver a amiguinha.
A menina entra na casa, só tem quatro anos, toda séria, falava de um jeito adulto e não com empolgação de criança, N contava uma coisa super legal e ela respondia de um jeito seco (filha única).
Coloquei macarrão pra menina, ela olha com uma cara de nojo e diz " I don't eat pasta and cheese", " Do you like rice, A.?" Fiz o arroz pra ela, e depois ela me disse que só comia arroz de procedência americana e que aquele era da Indonésia. ( alô, dá pra senhora trazer caviar com um champagne de mil dólares pra sua filha?Ela está com fome).
Na hora de dormir foi outra novela. Oito horas da noite ainda é claro, ela olhou pra minha cara e disse que não conseguia dormir com luz no rosto.
Pedi pra pequena trocar de cama e sai do quarto, uma hora depois vem N me chamando dizendo que ela estava com medo de dormir no escuro porque só dava pra ela ver os olhos do ursinho dele, não conseguia ver a boca dele e os olhos assustavam a madame , ops, a princesa e me pediu que deixasse o quarto com  luz meio tom abaixo.
Se ela me torrasse mais um pouco ela ia ficar com meio tom abaixo da cabeça porque eu ia jogar aquela menina pra fora de casa.

Hoje, finalmente matei minha vontade de suco de acerola. Como?
Encontrei uma loja em San Rafael, chamada Brazil Marin, lá tem alguns produtos brasileiros ou que só vendem no Brasil.
Enfim, eu estava com Marie e ela decidiu se aventurar comendo alguns quitutes brasileiros, ela foi na minha e provou o suco de acerola, deixou um pouco pra dar para a filha dela que segundo ela amaria o tal suco.
Eu nunca fui fã de coxinha e risole, mas eu fiquei com vontade de comer, e cheguei a conclusão de que seria melhor eu ter controlado a minha vontade do que ter me aventurado a comer aquele pedaço de quitute feito na valeta do inferno.
Cacete de agulha, o trem estava banhado na gordura, e eu acho que Marie gostou só por educação e eu deixei bem claro pra ela que aquilo não tinha aquele gosto horroroso. Isso porque eles tinham trocado de cozinheira, imagine a outra como devia cozinhar.

Hoje, pelo menos até as 16h foi minha folga e dormi até o cu fazer bico, até as 8am...hahaha.
Quem gosta de dormir até tarde não pense em ter filhos. Eu nunca quis ter, mas isso é um estágio de confirmação e com certificado de que não estou apta a ter filhos durante as próximas quinze vidas e meia.
Criança é so cute enquanto pequena, depois que crescem alguns tem sorte de continuar cute, outros ficam assim como eu, e isso não foi falta de apanhar. Pelo menos todos podem dizer que foram bonitos um dia...quando crianças.

Fui acordada pelo J. hoje. Toda vez ele entra no meu quarto e pergunta se eu estou dormindo e eu respondo "Não JJ, estou vendo qual a posição mais confortável para se deitar no caixão" . Quinze dias atrás ele não gostava do meu cabelo e nem da minha mão, agora ele pede pra eu dormir com ele e solta pum do meu lado, me olha com aquela cara que a chinesa me olhou e ri, ele só tem quatro anos, quando tiver vinte alguém vai precisar de máscara. Ele veio no meu quarto porque não conseguia colocar os sapatos, eu ajudei e vi que ele estava somente com uma meia nos pés, perguntei onde estava a outra e me disse que não achou. E quis colocar os sapatos faltando uma meia, pratico, ele é quase Joyce.

Estava pensando agora e queria saber qual é a graça em ser aupair antes dos 21 anos? Aqui não é como o Brasil que a molecada passa a noite na rua, nada disso, diferente do Brasil o lema daqui é "Ordem e Progresso" sem o trocadilho idiota de "tira as calças e faz sucesso". Under 21 não vai pra balada, under 21 não bebe, under 21 não fica na rua até as duas da manhã que é o horário em que os mais velhos podem ficar na rua. Se for pra vir pra cá antes dos vinte e um já fique ciente que vai pegar matinê e o máximo que vai poder fazer é um sleep over (dormir na casa de amigos).
Hoje, uma amiguinha da mais nova veio dormir aqui, fiz brigadeiro para os três comerem depois do jantar, é a primeira vez que eu tento fazer brigadeiro e não saiu aquela coisa bonita mas estava comível.
Amanhã é meu dia livre, vou tentar aproveitar sozinha, até hoje eu só fiz uma amizade com uma aupair próxima aqui de casa, brasileira, muito gente boa, e se dispôs a me ensinar o caminho de Corte Madera, já que tudo pra mim é novo eu preciso de um GPS humano, foi legal, muito gentil da parte dela.

That's all folks

Acho que eu não tenho nada de importante pra dizer hoje, por isso o título seja esse.
Mas acontece que eu estou tão chateada com algumas coisas que hoje vi na internet a piora de tudo.
Quer coisa pior que entrar no orkut, começar a fuçar a vida alheia de quem deixa o album aberto pra qualquer panguá ver e dar de cara com aquelas fotos rídiculas de "ninguém sabe que eu estou tirando minhas próprias fotos"?
Maldita inclusão digital, eu ainda penso que o acesso a internet só deveria ser concedido mediante concurso público.
Entrei em um perfil de uma "Maria Ruela" e vejo um monte de fotos com a língua de lado. Será que isso é pra mostrar algum talento? E as pessoas que tiram foto fazendo coraçãozinho com as mãos, é de matar.

Não sei se eu sou muito "cri-cri" ou se são as pessoas que esquecem de ligar o um ridiculômetro instalado no meio da bunda.
Se você não tem senso do ridículo, por favor, ande com pessoas que tenham esse tipo de noção (não ande comigo porque eu uso meias de cores trocadas).

Ai, credo, parece até que eu estou na fossa, nem parece que eu vou passar um mês em Lake Tahoe.

Ah, e a Deza ainda não aceitou o tal date, se ela ficar de cu doce o cara vai morrer diabético.
Sabe quando a linguiça está cheia e você não sabe mais o que fazer para encher linguiça? Pois é, tô assim hoje.
Me lembrei de outra pequena pérola. Semana passada peguei o carro monstruoso de grande e saí com a vovó, meu, estacionei, e quando estava saindo ela disse "Você pode desligar o carro antes de trancar a porta?" O carro era tão silencioso que eu nem percebi, e minha cara foi parar onde? Lá mesmo, bem no fiofó do dromedário que cagou aquela bosta mole do post anterior.

Eu estou achando esse BROG (é com R mesmo) tão pobrinho de detalhes, sei lá, eu acho que eu deveria colocar algumas calcinhas penduradas no canto perto do "search", colocar alguns tênis embaixo do arquivo, sei lá, só sei que hoje eu estou muito desimportante e sem novidade nenhuma pra contar.

Gente, estou ficando com vergonha alheia de mim mesma.
Já comecei a colecionar pérolas.
Anteontem eu fui fazer o almoço e R. desceu e perguntou o que eu coloquei na salada de macarrão que estava cheirando tão bem, aí eu disse que tinha colocado um negócio da Turquia que estava na geladeira mas que eu não sabia o que era, ela ficou quieta e comeu.
Hoje pela manhã, preparei o meu café e fui pegar a tal iguaria da Turquia na geladeira pra colocar junto da torrada, eu peguei e li Turkey (ok, é da Turquia), depois olhando atentamente o desenho do bicho que estava na embalagem e associando ao paladar familiar que o tal iguaria tinha eu me dei conta que esse tal de TURKEY era peito de peru (ou peru de frango...hahaha).
Isso sem falar do meu caso de amor e ódio com a secadora de roupas.
Estou eu, toda pompoza em usar a máquina, coloco minhas primeiras roupas para lavar e depois secar, coloquei dois vestidos grandes, lingerie, e meias, terminou de secar. Quando abro a secadora...MAGIC, ganhei duas miniblusas e um monte de roupinhas de bonecas, minhas calcinhas viraram tanguinhas de halterofilistas ( tinha escrevido com A antes, e ser chamada de analfabeta pelo Lee é o fim), e quando eu ando a bendita enterra na bunda e eu tenho que ficar tirando a "maria do parque" toda hora.

Ok, já passou, passou, quero esquecer disso.

Finalmente hoje eu consegui ir para San Francisco de bus, mas infelizmente o tempo estava ruim, chuviscava muito.
Cheguei em SF na hora do almoço e pela primeira vez depois de quase um mês nos United eu vi os primeiros Black american guys, eu já estava cansada de ver mexicanos e porto riquenhos, avestruz.
Desci na 1st avenue e estava tão necessitada de um banheiro que saí rodando procurando e perdi meia hora tentando achar um e cheguei a conclusão de que em SF ninguém faz xixi.

Foi então que numa atitude desesperadora eu entrei na Walgreens, chamei uma das caixas e perguntei se ela tinha boia por ali, ela disse que não, e então falei pra ela me deixar usar o banheiro dos funcionários porque senão todos morreriam afogados. Ela arregalou os olhos e disse "Oh, my God, oh, my god" e me deixou usar o banheiro.
Incrível que em todos os restaurantes e também no McDonalds não existia banheiro, em todos havia um aviso enorme "No Restroom", nem no metro.
San Francisco realmente é linda, já tinha ido uma vez mas passei rapidamente por uma rua, dessa vez eu fui com um pouquinho mais de tempo, e não aproveitei muito, preciso ir com quem conheça.

E por falar em Black american guys, a Deza tem um date...hahaha, ela não me pediu segredo, logo, deduzo que posso comentar aqui. O cara tem vinte e seis, mora sozinho e trabalha com informática, ou seja "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã", e como já dizia o host dela "Deza, não case por amor, case com um cara rico", já eu penso diferente, case por amor, mas por favor que seja com um cara rico.
Disse pra ela aceitar o date, ele a convidou para almoçar (quem vai almoçar quem?), mas ela está muito promiscua para o meu gosto, está conversando com mais dois ( ok, contei), pedi pra ela dispensar quem mora com a mãe e quem não trabalha com informática.

Tem muita menina que vem como aupair e acaba casando, umas casam e outras cagam com cara que estava nas tropas americanas no oriente médio, outras escolhem brasileiros (aff), outras simplesmente pisam na bosta mole do dromedário e começam a namorar mexicanos, latinos, e essas mesmas acabam que se enfiam na bosta até o último fio de cabelo quando se "casam" com esses caras que nem american citizen são. É por isso que eu tenho horror aos pobrilus terrificus (pobre).

Esse post só foi um breve comentário, e eu também quero um date com um american guy que more sozinho e que não tenha mãe viva...(medo de mim...rs)

Uma coisa interessante eu gostaria de comentar aqui antes de esquecer. Com tantas opções cosméticas nos United, com tantas opções de cremes para cabelo, maquiagem, alguém consegue me explicar o motivo das mulheres aqui serem tão barangadas? Não digo isso por todas, uma das.. uma não, três das quatro palestrantes tinham um visual desleixado, um cabelo á la visconde de sabugosa, uma pele seca, e vestem umas roupas esquitas, prendem o cabelo com aquelas xuxinhas antigas, horríveis e isso sem falar nos sapatos, o u do pirarucu. Ok, passou.

Depois de alguns dias comendo comida visualmente bonita acontece um milagre, pizza e massa no último dia do Torturamento.
Foi o único dia que eu achei que estava comento comida de verdade.

Esse mesmo dia foi o dia de despedir das meninas que iriam para outros Estados e para as que ficariam mais um dia devido ao infant especialized.
Fomos divididas em grupo e cada um foi pegar o seu voo.
Peguei seis horas e meia de avião porque as outras dezessete foram pouco ( á la Deza), e voar de Continental Air Lines é pior que A.A.Lines, peguei uma poltrona horrível, a última do avião, e do meu lado estavam a tailandesa e a sueca que tinha cara de traveco, putz, entender a tailandesa era ruim.

Cheguei no aeroporto de San Francisco e lá estava a R. (host) me esperando com o sorrisão de orelha a orelha, ela me olhou e disse "menina, eu via as suas fotos e pensava que você fosse pequenininha, não imaginava que você tinha toda essa altura" (nem sou tão grande assim, só 1.76).
Saimos do aeroporto e fomos para Mill Valley, mas antes paramos em um Chinatown pra ela comprar um chá de jasmim com umas bolinhas que eram semelhantes ao sagú, ela comprou pra mim e eu gostei muito do chá, é diferente mas muito saboroso, essa chinatown ficava em San Francisco e eu pude ver um pouco da cidade, que é linda, passei também pela Golden Gate, mas estava escurecendo e não deu pra aproveitar muito bem.
Quando cheguei em casa fui muito bem recebida pelas crianças que estavam acordadas, pela vovó que também estava aqui e pela Buffalo (dog), assim que me viu ela ficou doida, e pra todo o lugar que eu vou ela vai atrás e se eu sento em algum lugar ela vem se encostar em mim, fofa.
Quando a caçula (N.) me viu, olhou para o meu cabelo e disse que a mãe dela tinha uma peruca igual a minha (pausa, silêncio), e quando eu falei que aquele não era peruca e sim meu cabelo de verdade ela olhou pra mim, arregalou os olhos e disse "Eu GOSTI do seu cabelo" um português com um leve sotaque francês.
Gostei muito de todos eles, atenciosos demais, e acho que será um bom ano para a gente.

Tô sem saco, escrevo complementos amanhã.
Bjos na bunda

Onde foi que eu parei mesmo no post anterior?
Ah, certo, lembrei.
Depois de muito receber elogios sobre o meu ninho de mafagafos (cabelo), decidi começar a cobrar, mas essa minha ideia veio tarde demais.
----------- Break para um complemento--------
E por falar em cabelos, hoje a minha LCC veio me conhecer, pra quem não sabe LCC significa coordenador local, ela olhou para o meu cabelo e fez uma cara de "so cute", quase que eu perguntei pra ela se ela também queria tocar. Ela me disse que o filho dela tinha o cabelo igual ao meu e me mostrou a foto dele, e eu crente que eu ia ver um cara compatível com a minha idade me decepcionei vendo um gurí de quatro anos.
----------Acabou o break-------------------------

Não vou contar detalhes do treinamento, pois como eu disse, o trem era chato de lascar, claro que tinha algumas partes importantes como primeiros socorros, o quê fazer quando a criança psicopata corre atrás de você com uma faca e tudo mais, não vale a pena demolir com o sonho de uma futura aupair contando do treinamento.
Se você é da APC (aupair care) com certeza já deve ter ouvido falar horrores da TRACY.
Me falaram horrores dela também e eu fui armada, e não é nada daquilo que as meninas falam, dizem que ela é terrível, grossa, estúpida, etc.
Tracy é uma mulher inteligentíssima, bonita e aquela nega deve cantar muito, a voz dela é um pouco enjoativa. Pense naqueles filmes americanos que você já viu e que tem aquelas comunidades Black, umas mulheres que tem um jeito de falar diferente e com trejeitos, pra se ter uma ideia melhor pensem na mãe do Chris do seriado "Everybody hates Chris", ela fala igualzinho...rs

Outra coisa que eu quero escrever antes que eu me esqueça. Não gaste o seu dinheiro pagando o tour que a APC oferece por NYC, USD 40 jogados no lixo.
Pense, se você vai ficar um ano ou mais nos United é claro que terá oportunidade de visitar NYC nas férias, concorda ou semcorda?
Logo após o treinamento por volta das 18h tem um ônibus esperando as panguás deslumbradas pra conhecer NYC. A macacada entra no ônibus jurando que vai "Oooooh, conhecer NYC".
Na verdade você vai passar por NYC DENTRO DO ÔNIBUS E COM UMA GUIA CHATA COM VOZ DE FUMANTE QUE FAZ UNS TROCADILHOS MUITO DO SEM GRAÇA, E QUANDO SAI É SOMENTE DURANTE UNS VINTE MINUTOS E A MULHER NO SEU CANGOTE FALANDO QUE TEM QUE ENTRAR RÁPIDO NO BUS.
As letras GRITANTES foram propositais pra você depois não dizer que eu não avisei, quando a guia dizer "Olha a times square, uh, já passou" você vai se lembrar do que leu.

O treinamento é legal porque você conhece gente de tudo quanto é canto e fica sem entender uma palavra do que elas falam, por causa do sotaque.
Tem um mall em New Jersey que tem tudo, lojas praça de alimentação. Eu rodei uns trinta minutos me decidindo o que eu comeria, aí você se pergunta o motivo, simples, eu detesto fast food, tenho horror ao Mc Donalds e estava díficil achar alguma coisa que coubesse dentro de um prato somente e não em dois, foi então que decidi pela comida tailandesa, estava gostoso, comi um frango agridoce mas na verdade eu acho que eu devo ter comido rato.

Fui na loja da Victória's Secret, e nunca fui fã disso no Brasil, acho que o produto era uma coisa cara demais cerca de R$ 45 pra uma embalagem muito pouco elaborada.
Entrei na loja e vi uma promoção (e pramocinha também), seis cremes daqueles carérrimos no Brasil por USD 30. Vou te falar, é só brasileiro que se deslumbra com uma coisa besta dessas, o cheiro não é tão bom e as meninas acham um máximo só porque tem ingredientes do "secret garden", ah, tá bom conta outra, quero ver se o sucesso seria o mesmo se o jardim secreto fosse no Acre ( se dizem que o jardim é secreto provavelmente é no Acre), mas no terceiro dia eu tive que me render e fui comprar creme lá, pois eu esqueci o meu em casa e preto quando fica sem creme fica com a pele russa,claro que eu não comprei seis, dividimos dinheiro a Deza e eu, antes VS do que vaselina. Secret Garden, rá, conta outra.

A comida do treinamento é muito bonita, tem um visual legal, mas por favor, não comam daquele pão lindo que verão no primeiro dia, é duro. Os doces são chamativos mas nada saborosos, é aquela coisa meio soro caseiro.

Estou começando a sentir falta de açúcar, principalmente do suco de acerola, aqui não tem.
Anteontem, de tanto eu falar no suco de acerola, a vovó (mãe da host) me trouxe quatro litros de suco, tinha de laranja, maçã, uva, me disse que não era acerola mas que ia suprir a minha necessidade de AÇÚCAR REFINADO do Brasil (aqui em casa não tem açúcar..hahaha), estou achando ótimo por enquanto, vou perder TOOOODOS os quilos que ganhei o ano passado. E interessante que os sucos não tinham açúcar, eram todos pressed fruit, ou seja, sem adição de açúcar, mas o gosto era maravilhoso.

Amanhã tem mais...

Me falaram que o treinamento da APC seria chato e óbvio demais, mas eu nunca pensei que fosse à beira da imbecilidade.
Ao total foram 110 aupair, do mundo inteiro e haviam somente dois meninos e meio e mais meio menino. Entendeu? Explico, um meigo demais e o outro meio menino não era menino, era uma menina que andava como menino, tinha jeito de menino, voz de menino, se vestia como menino, acho que ela é transgenere.
As "polandesas" não eram nada simpáticas, fiz amizade com duas alemãs e uma sueca teve que me engolir durante as seis horas de voo para a Califórnia.
Algumas meninas têm um sotaque horrível, as meninas da A.central é impossível entender, sem falar nas tailandesas e as chinesas.
E por falar em chinesa, pqp, tinha uma do meu lado que soltou o maior peido do mundo, antes de constatar que era um eu olhei para o chão pra ver se foi alguma coisa que estava arrastando, mas era impossível sair um barulho daqueles com um chão de carpete, e ela ainda olhou para a mim como se fosse a coisa mais natural do mundo compartilhar o aroma.
Fiz amizades com algumas meninas que brilham no escuro (as branquelas européias) e no segundo dia durante os breaks algumas delas chegavam até a mim e perguntavam " Can I touch your hair?", depois que a primeira veio o resto tomou coragem e vinham nos outros breaks pedir para tocar no meu cabelo e diziam que ele era muito bonito e que nunca tinham visto um cabelo assim no país delas, só no clip do Jackson's Five. Pensa você que elas tocavam com timidez? Que nada! Quando eu autorizava colocavam as duas mãos nos meus cabelos e afofavam como se estivessem enfiando a mão em um monte de algodão e diziam "Oh, my godness it's very nice"

Ok, vou parando por aqui, estou sem saco hoje.

Aguarde continuação.

Dorgas, mano.

Hoje estava no msn e a Camila veio falar comigo dizendo que estava lendo o meu "brog" e que eu deveria escrever com mais detalhes,oook.
Meus posts são curtos porque eu estou cansada demais e escrever toda a história vai me dar uma fadiga, e não existe nada aqui do que uma aspirante au pair já não saiba. Jaiminho já dizia que evitar a fadiga é sempre bom, e eu escuto os mais velhos.
Pela primeira vez em muitos anos consigo ir para a cama às 22h30 ou 23h00 e é justo nessa hora quando deito o meu corpinho (O.o) em berço esplêndido ( ainda bem que o Lee não sabe como se escreve essa palavra, eu tinha escrito com X) que eu tiro um tempo pra escrever, e eu gosto de escrever três ou quatro posts.
Vou tentar escrever um post mega enchedor de linguiça para não ter que ouvir novamente que alguém sente falta de detalhes, não quero mandar ninguém tomar bem no meio do orifício rugado.

Eu gostaria de ter paz pra escrever mas toda hora tem UMA no msn inflando a minha bolsa escrotal, por exemplo agora, a Deza (aquela que eu reconheci no aeroporto) está lendo o blog e escreveu assim:
" Andreza. diz:


falando de mim na comunidade rapaz

uhahuahuahu tenha vergonha

Joyce diz:

oooops!

Vou falar mais agora"

Eh, pelo menos ela está lendo o blog...rs

E lá vem a Camila de novo: Me mandou um link do batizado do filho da Ivete. E eu lá quero saber de Ivete? Estou no United, benhê. Me manda aí um link que fale da Britney.

Desse momento em diante, mais detalhes.

Chegamos no aeroporto de Dallas, no Texas, e é claro que pra não perder o costume a primeira coisa que eu fiz foi espirrar, e depois eu soltei um "Deus abençoe a América"...

Eu sei que isso não tem nada que ver com o assunto mas eu tenho que comentar. Meu, como os pernilongos daqui são resistentes, não morrem...

Voltando..
A Gabis riu do que eu disse após espirrar. Ah, a Gabis é um caso muito interessante, ela não fala nem "Hello" e conseguiu família. Como?!?! A teacher dela conversou com a família como se fosse ela (muito boa, Gabis, toca aqui \o).

Esperamos o shuttle nos levar até o Hotel Hilton. Uau, Hilton. Quando fiquei sabendo que me hospedaria no Hilton fiquei maravilhada, quando cheguei vi um hotelzinho pintado de cor de burro quando foge.
Você sabe qual é a cor do burro quando foge? Pois é, nem eu, e era essa a cor do Hilton, cor de nada com coisa nenhuma, e uma das letras, acredito que o N estava faltando no letreiro de ENTRADA, aí lascou a miséria mesmo, de longe eu lia Hilto e pensei "What's porra is this?"
Ok, pra completar a desgraça, o motorista começou a nos dar as malas do lado de fora mesmo, de qualquer jeito mesmo, foi quando uma mala imensa de uns 20 kg caiu no meu pé, por increça que parível eu não gritei,
O grupo das brasileiras foi o primeiro a chegar.
O quarto era dividido entre três, o meu medo era dividir um quarto com uma alemã ou uma européia branca demais, pô, eu gosto de dormir no escuro, e ficar com alguém iluminado demais do lado é ruim pra dormir.
Fiquei feliz quando descobri que minhas companheiras eram latinas, Colombia e Guatemala....

Bom, cheguei no aeroporto, claro que eu NAO VESTI A CAMISA  da agência, ela não entrava no meu ombro e quando entrou meus braços ficaram pendurados e quando eu me virava parecia um bonecão de Olinda, não rola.

Chegando lá, a primeira pessoa que eu bato o olho e reconheço é a Deza. Explico, durante o processo, algumas meninas fizeram uma comunidade no Orkut de quem embarcaria dia 03 de maio, e nós ficamos amigas, e combinamos de nos encontrar no aeroporto, depois encontrei a Camila e outras meninas (coooopinho).

Fiz o check-in e pedi para os meus pais irem embora, não chorei, chorei um pouquinho quando me despedi do meu irmão mais velho, mesmo assim ninguém viu.

Enfrentei dez horas de viagem até Dallas-TX, fiz escala de duas horas, e mais três horas de voo até New Jersey.
Acho que nem preciso dizer que a minha bunda de preto se resumiu a um horroroso formato quadrado, de tanto ficar sentada.

Cheguei ao Hilton Hotel.

Minha mãe não estava presente em casa durante algumas semanas, ela estava no Rio, cuidando do meu avô e ele morreu logo em seguida.
Liguei para ela e disse que eu consegui meu visto, e pedi pra ela ir embora para casa o mais rápido possível, eu ainda não tinha contado nada para o meu pai, aliás, ele não sabia de absolutamente nada sobre o intercâmbio, somente que eu tinha feito a inscrição, eu não comentei nada com ele, é que ele gosta de contar as coisas pra todo mundo mesmo eu pedindo segredo, então, já que é um semi-segredo mais ninguém poderia saber.
Conclusão: Ele só ficou sabendo da minha viagem  uma semana antes do embarque...hahaha

Desde o começo eu não recebi muito apoio da minha mãe, justo, ela não conhecia o intercâmbio, tinha que ficar encucada mesmo. Então, certo dia ela me disse que entregou nas mãos de Deus, e que se fosse pra eu ir eu iria.
Depois que contei para alguns familiares, esse depois eu quis dizer um dia antes do embarque, e de 14 tios que eu tenho somente cinco tios e dois primos ficaram sabendo, a maioria apoiou muiiiito, mas um não gostou da ideia dizendo que eu tenho ensino superior, e bla, bla,bla, não precisa fazer isso. Alo, mas eu quero.beijo.

Fiz as minhas malas um dia antes, ou seja, uma mala grande e outra pequena.
A grande deu 18kg e a pequena 7kg. Levei quase nada, somente sapatos, troca de roupa para uma semana e muiiiiitas calcinhas e soutiens porque aqui não tem calcinha normal como no Brasil.

Let's go, Baby.

Sofro por antecedência, por isso que criei um bicho de 18 cabeças e meia para a entrevista do visto.
Marquei a entrevista no consulado de São Paulo, preenchi o novo formulário para o visto, que agora é on-line. Eu fui a primeira AuPair da agência a preencher o novo formulário, então, eu fui à agência quebrar a cabeça com as meninas, ook.
Marquei a entrevista do meu visto para o dia 16/abril, data curiosa, depois explico o motivo.
Sofri durante duas semanas, pensando que meu visto seria negado, por não ter um inglês perfeito para o consulado, e bla, bla,bla.
Contei com a ajuda de muitas pessoas, muitas delas me acalmando para eu não ter um piripaque e do amitriptilina também, muitas se ofereceram pra ajudar no que fosse preciso, outra me ofereceu carona até o consulado que é lá no cu do mundo onde Edipo perdeu a vergonha, aliás, todo mundo agora dá um salve para a Tati (salve?! O.o tô virando mano corintiano?), ela me levou até o consulado e me ajudou muiiiiito. (Obrigada, viu, amiga).
Chegando lá, vi uma  fila imensa, cheguei às 7h30min, enfrentei fila, passei mal, tive vertigens de tanta ansiedade, enfim.
Chegou a minha vez de pegar a fila para a entrevista.
Pra quem não sabe,  dentro do consulado é um pátio enorme com um monte de presidiários monte de gente em pé, outras sentadas e as senhas sendo chamadas, mesmo assim o povo fazia fila (Ô, pobraiada que gosta de fila pensando em liquidação)e não precisava de filas.
Enfim, tinha um padre na minha frente, e o entrevistador demorou com o padre cerca de dez minutos ( se ele não fosse padre não teria fama de pedófilo), acho que o visto dele foi negado.
De tanto que ele demorou, abriu um guichê do lado, e me mandaram ir para lá.

Uma mocinha muito simpática me atendeu, novinha de tudo, ela começou a falar em espanhol comigo (ainda tem gente que acha que no Brasil se fala espanhol), logo depois a entrevista foi em inglês, putz, meu inglês estava tão bad que eu não entendia xongas do que ela falava, foi quando eu soltei " Sorry, I'm very nervous" e ela me responde "I'm so sorry too because is this my first day here", eu pensei "pronto, fodeu, ela vai negar o visto para mostrar serviço.
Fiquei uns cinco minutos no guichê, pedi para ela repetir milhares de vezes as perguntas, e ela com a maior boa vontade do mundo me repetiu, ela me pediu para aguardar, tirou os fios do fone, colocou no mudo e foi conversar com o velhinho. De longe eu avistava o velhinho dizendo não com a cabeça, e ela mostrando os meus papéis, e o velhinho mandou ela voltar. Ela me fez mais algumas perguntas e me disse " Oh, vc faz aniversário no dia 10/05, e faz 27", ela voltou a conversar com o cara e começou a me falar que meu visto seria negado por não apresentar vínculos suficientes com o Brasil.
Foi quando ela olhou para mim e viu a minha cara de choro, os olhos molhados, ela olhou para trás, pegou um papelzinho e circulou o J que é correspondente ao J1, passou o papel rápido pela fenda do guichê e me disse " Vai rápido, paga essa taxa e volta aqui neste guichê sem que aquele senhor te veja".
Fiz o que ela pediu, cheguei na fila, e desabei a chorar, voltei no guichê e ela me desejou boa viagem.

Não acreditando no fato ocorrido, liguei para a STB e falei com uma das orientadoras, o diálogo foi bem assim:
J: Oi, Fábia, tudo bem?
F: Tudo, e aí como é que foi?
J: Então, isso que eu queria saber. Quando a gente paga as taxas significa que eu consegui (não acreditando)
F: Claro! Joyce, vc conseguiu, parabéns, estamos felizes por você.  E agradeça a Deus por isso todos os dias, viu. Porque você está embarcando uma semana antes de completar 27 anos.

Outras meninas me disseram "Joy, se Deus existe, tenha certeza de que ele te ama muito"
Ok, acredito muito nisso.

Mesmo assim, eu só acreditei mesmo depois que meu passport chegou.

I GOT MY VISA.

PS.: Sobre a data curiosa que eu escrevi anteriormente, essa data (16/04) curiosamente sempre foi a data que eu começava a trabalhar em todos os meus empregos.

No dia 01/março recebo um e-mail assim ( colado na íntegra):

" Oi Joyce-
Adorei seu perfil e achei que voce tem uma cara MUITO simpatica!

Voce leu o meu perfil pra saber bem o que estamos procurando?

Voce esta querendo o que?
Ja tem a papelada ou visto pra vir pra ca?
Quando voce poderia vir?

Conta pra mim o que voce esta querendo...

Nos precisamos de alguem pra falar portugues em casa!  temos uma familia bastante animada e divertida...

Mill Valley eh uma cidade MUITO pequena e LINDISSIMA... caminhadas lindas, arvores e parques lindissimos...

escreva pra mim.

Beijos

R."


No  Primeiro momento eu pensei que não passaria desse e-mail, mas eu resolvi responder,  para a minha surpresa descobri que  era uma coisa séria.
A familía não pertencia a nenhuma agência, mas disse que entraria na agência da aupair que fosse escolhida.

Ficamos vinte dias no emailpralá-emailpracá, belo dia ela  (R.) me ligou e disse, "ok, gostei de você,  vamos fazer o match?"
Depois disso ela procurou a AuPair care, preencheu um aplication e mais um problema, ela não conseguia me visualizar. R. ligou para a AuPair Care e disseram que eu estava disponível somente para famílias under 2, e ela não tinha crianças com menos de dois anos (como assim?), pois é, por esse motivo eu não tinha contato de ninguém no aupairroom.
Ela solicitou para que ela pudesse ver o meu perfil e esperamos alguns dias para a organização aceitar a família, nesse período algumas famílias me adicionaram, como eu já tinha feito um acordo verbal e a família entrou para a APC eu dispensei as demais famílias.

Para se ter uma ideia de como Deus foi MAAARA (ok, eu detesto essa palavra mas é pra se entender) comigo, olha o cronograma de embarque da APC:
Consiste em data de match, data de embarque correspondente àquela data do match e datas de treinamento.
O match oficial aconteceu em 24/março, duas semanas antes do cancelamento do meu perfil (pois eu completaria 27 em maio) que provavelmente não daria tempo para o envio do DS2019 e do J1, documentos para o intercâmbio. Veja em amarelo.

Au Pair Arrival Dates

Au Pair Care au pairs arrive throughout the year, at least every two weeks and more often in the summer months.  Consult with our arrival and match deadline calendar below and select the best arrival date to fit your family’s schedule.

2010 Arrival Dates

Match DeadlineUS ArrivalHome Arrival Standard ProgramHome Arrival
Infant Program
2010
Jan 7
Jan 21
Feb 4
Feb 18
Mar 4
Mar 18
Apr 1
Apr 22
May 13
May 27
June 10
June 17
June 24*
July 8*
July 15
July 22
July 29
Aug 12
Aug 26
Sep 2
Sep 16
Sep 30
Oct 14*
Nov 4
Nov 11
Feb 8
Feb 22
Mar 8
Mar 22
Apr 5
Apr 19
May 3
May 24
June 14
June 28
July 12
July 19
July 26*
Aug 9*
Aug 16
Aug 23
Aug 30
Sep 13
Sep 27
Oct 4
Oct 18
Nov 1
Nov 15*
Dec 6
Dec 13
Feb 11
Feb 25
Mar 11
Mar 25
Apr 8
Apr 22
May 6
May 27
June 17
July 1
July 15
July 22
July 29
Aug 12
Aug 19
Aug 26
Sep 2
Sep 16
Sep 30
Oct 7
Oct 21
Nov 4
Nov 18
Dec 9
Dec 16
Feb 12
Feb 26
Mar 12
Mar 26
Apr 9
Apr 23
May 7
May 28
June 18
July 2
July 16
July 23
July 30
Aug 13
Aug 20
Aug 27
Sep 3
Sep 17
Oct 1
Oct 8
Oct 22
Nov 5
Nov 19
Dec 10
Dec 17

As datas de postagem com a data que eu escrever aqui vão parecer confusas, como eu disse, resolvi escrever o blog só depois de tudo certo.
Já estou aqui, e vou contando o meu processo.

Vamos lá então...

Fiz minha inscrição no dia 01/ago/09, detalhe, para a minha data de nascimento 10/maio/83, ou seja, 26 anos.
Demorei um pouco devido a falta de tempo e a enrolação do médico não querer assinar meu atestado de saúde, ele não quis se comprometer, oook, eu vou me lembrar disso quando ele precisar de doação de sangue.
 Nesse tempo eu terminei a minha faculdade, eu fiz Marketing, e fiz tudo que eu tinha pra fazer.
Fui mandada embora do meu emprego (uhu!) e entreguei a documentação para a STB no dia 15/dez/09.

Bom, aí começou o meu sofrimento, demorei 41 (QUARENTA E UM) dias para ficar on-line, não é normal isso, geralmente o tempo que se leva em média é 20 dias.
Meu desespero ficou ainda maior porque eu só tinha um mês e meio pra arrumar uma família, ou menos, pois eu fiquei on line no dia 26/jan.
Depois disso, uma semana depois uma família do Texas me adicionou e em dois dias eles não me ligaram, oook, vou me lembrar disso também.
Enfim, não tive nenhum contato pela AuPair Care, foi aí que algumas meninas me falaram sobre um site chama Great au pair (www.greataupair.com), e me explicaram que este site é usado por famílias que não querem au pair por agência, mesmo assim eu decidi tentar. Tentei, tentei, adicionei famílias mas a resposta que eu sempre recebia era "Não, obrigada".

Fevereiro chegou e eu já estava chorando de desespero, alguns diziam que eu não conseguiria, mas eu acreditava que o meu sofrimento todo tinha que ter uma recompensa.
Fevereiro terminou e eu começo a chorar (literalmente).
Março chegou e eu recebo um e-mail do GAP.

About me (por Tom)

Joyce Galindo é uma semi-balzaquiana ( não existe SEMI neste caso), melhor dizer que sou uma velha de e tenho 28 anos, carioca com sotaque paulista( meu). Exigente por defeito genético, tentou passar na fila da exigência mas vezes, como não deixaram, ela foi buscar os seus direitos no atendimento ao consumidor. Chata pra cacete e detesta quando as pessoas usam o "Mim" antes do verbo, tendo até mesmo coragem de corrigir quem quer que seja em qualquer situação ( não é bem assim), deixo de lado os comentários que ela faz quando alguém "está tendo que usar o gerúndio". Já fez campanhas na empresa para o " Bom uso e emprego da palavra Literalmente", literalmente falando é díficil de aguentar (ops, empreguei a palavra errada, foi?).

É Formada em Marketing, decidiu ser aupair. O motivo? Segundo o que ela diz " Experiência Internacional, além de ser um MEGA up na carreira, é chique" - Mentira dela, na verdade ela sabe que os "mano pira nas mina poliglota"

E para muitos e principalmente para mim os motivos são:

" Essa daí? É louca de pedra por parte de pai e mãe" - Ana Paula

" Non-sense total" - Rafael

" Ela vai comprar Victoria Secrets e Guess mais barato que eu?!" - Paulão (what?!?! O.o).

"Agora que ficou internacional vai ficar díficil de aguentar, ela vai me corrigir no inglês também?" (vc ainda tem dúvida?) - Fábio R.


Vamos ver como é que ela vai voltar dessa MEGA expêriencia.




Seguidores

Você passou por aqui