Gente, estou ficando com vergonha alheia de mim mesma.
Já comecei a colecionar pérolas.
Anteontem eu fui fazer o almoço e R. desceu e perguntou o que eu coloquei na salada de macarrão que estava cheirando tão bem, aí eu disse que tinha colocado um negócio da Turquia que estava na geladeira mas que eu não sabia o que era, ela ficou quieta e comeu.
Hoje pela manhã, preparei o meu café e fui pegar a tal iguaria da Turquia na geladeira pra colocar junto da torrada, eu peguei e li Turkey (ok, é da Turquia), depois olhando atentamente o desenho do bicho que estava na embalagem e associando ao paladar familiar que o tal iguaria tinha eu me dei conta que esse tal de TURKEY era peito de peru (ou peru de frango...hahaha).
Isso sem falar do meu caso de amor e ódio com a secadora de roupas.
Estou eu, toda pompoza em usar a máquina, coloco minhas primeiras roupas para lavar e depois secar, coloquei dois vestidos grandes, lingerie, e meias, terminou de secar. Quando abro a secadora...MAGIC, ganhei duas miniblusas e um monte de roupinhas de bonecas, minhas calcinhas viraram tanguinhas de halterofilistas ( tinha escrevido com A antes, e ser chamada de analfabeta pelo Lee é o fim), e quando eu ando a bendita enterra na bunda e eu tenho que ficar tirando a "maria do parque" toda hora.

Ok, já passou, passou, quero esquecer disso.

Finalmente hoje eu consegui ir para San Francisco de bus, mas infelizmente o tempo estava ruim, chuviscava muito.
Cheguei em SF na hora do almoço e pela primeira vez depois de quase um mês nos United eu vi os primeiros Black american guys, eu já estava cansada de ver mexicanos e porto riquenhos, avestruz.
Desci na 1st avenue e estava tão necessitada de um banheiro que saí rodando procurando e perdi meia hora tentando achar um e cheguei a conclusão de que em SF ninguém faz xixi.

Foi então que numa atitude desesperadora eu entrei na Walgreens, chamei uma das caixas e perguntei se ela tinha boia por ali, ela disse que não, e então falei pra ela me deixar usar o banheiro dos funcionários porque senão todos morreriam afogados. Ela arregalou os olhos e disse "Oh, my God, oh, my god" e me deixou usar o banheiro.
Incrível que em todos os restaurantes e também no McDonalds não existia banheiro, em todos havia um aviso enorme "No Restroom", nem no metro.
San Francisco realmente é linda, já tinha ido uma vez mas passei rapidamente por uma rua, dessa vez eu fui com um pouquinho mais de tempo, e não aproveitei muito, preciso ir com quem conheça.

E por falar em Black american guys, a Deza tem um date...hahaha, ela não me pediu segredo, logo, deduzo que posso comentar aqui. O cara tem vinte e seis, mora sozinho e trabalha com informática, ou seja "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã", e como já dizia o host dela "Deza, não case por amor, case com um cara rico", já eu penso diferente, case por amor, mas por favor que seja com um cara rico.
Disse pra ela aceitar o date, ele a convidou para almoçar (quem vai almoçar quem?), mas ela está muito promiscua para o meu gosto, está conversando com mais dois ( ok, contei), pedi pra ela dispensar quem mora com a mãe e quem não trabalha com informática.

Tem muita menina que vem como aupair e acaba casando, umas casam e outras cagam com cara que estava nas tropas americanas no oriente médio, outras escolhem brasileiros (aff), outras simplesmente pisam na bosta mole do dromedário e começam a namorar mexicanos, latinos, e essas mesmas acabam que se enfiam na bosta até o último fio de cabelo quando se "casam" com esses caras que nem american citizen são. É por isso que eu tenho horror aos pobrilus terrificus (pobre).

Esse post só foi um breve comentário, e eu também quero um date com um american guy que more sozinho e que não tenha mãe viva...(medo de mim...rs)