Quase completando quatro meses por aqui e decido fazer um comentário sobre os meus três meses. Pois é, como sempre chego atrasada nos eventos.
Bom, é isso aí, o comentário dos três meses aqui já acabou e vamos ao que interessa.

Segunda-feira, 17 de agosto, a minha patota chegou com a corda toda. As minhas crias estavam lindas, crescidinhos e continuavam meiguinhos. Foi gostoso, e mesmo com os quatro em casa eu me sinto menos cansada, pois me dão menos trabalho do que eu tive com o pequeno furacão loiro de Lake Tahoe, que só pra constar nos autos, escrevo que estou com saudades.

Na terça, eu estava arrumando algumas coisas e N. de seis anos pegou um Carefree, abriu, virou de um lado, de outro e fez uma cara de "que é isso", e a cara de "que é isso" se transformou numa pergunta com uma rápida resposta dela mesma "ah, eu já sei, Joyce. Isso aqui é de colocar no pé" e colocou o absorvente no pé.

Depois de três meses aqui, eu fui ao primeiro Meeting, no CheeseCake Factory. Eu não conhecia nenhuma das aupair que estavam lá e fiquei toda sem rumo.
Como era de se esperar, me senti um peixe fora d'água porque grande parte das meninas que estavam por alí eram novas demais, parte são under 21 e a outra não passa dos 24 e eu tenho 27... Aupair Grandma.

Estou com o mal humor encubado em mim, pois é, eu tenho mesmo um mal humor terrível e quando vem fica por dias, semanas. E se alguém torrar "os meu pacová" eu vou dar o kick no ass dessa pessoa. Estou avisando, ninguém depois pode dizer que não houve prévio aviso.
O mal humor começou quando eu fui na Ross, uma loja muito barata que tem por aqui. Sai do provador esqueci de devolver a plaquinha de número que eu tinha pegado quando fui experimentar as roupas. A moça - estou chamando a pessoa de moça somente por educação - depois de uma certa distância que eu estava longe dá um grito "Hey MAN, give my number back, right now".
Tente imaginar aquele filme americano, com uma negra do gueto falando alto com todo aquele gingado, gesticulando o tronco, balançando a cabeça e o pescoço como aquele pessoal do Fat Family. Eu não me incomodaria de ser chamada de MAN (cara) se ela tivesse falado baixo, com educação, e se não tivesse dito "right now"(agora mesmo).
A questão é, o que é que eu ia fazer com um bendito de um número de trocador de roupas comigo? Sei lá, talvez recortar e colocar como número da casa, deve ter sido isso que ela pensou. E porque ela falou comigo daquele jeito? Será que ela é tão acostumada a ver as pessoas roubando roupas que se incomodou pelo simples fato de eu esquecer de devolver a bendita plaquinha fedorenta? Meu, eu estava comprando e veria o bendito número e ele ficaria no caixa.
Olhei para trás, voltei, e soltei "Hey, listen, MAN. I'm not your "sista" MAN, I'm not your friend MAN, I'm not man MAN. So, never, never, never speak with me like that MAN.
Embora ela seja um senhora, falou o que quis e ouviu o que eu quis falar também. Bateu...toma.
Sai da loja com uma SACOLA DE PLÁSTICO BEM GRANDE ESCRITO "ROSS". A sacolinha era bem no estilo pobreza e eu fiquei morrendo de vergonha de andar com aquela sacola na rua, tanto que eu peguei um caminho diferente do que eu estou acostumada quando volto pra casa, fui pelo mais escondido que tinha e abraçando a sacola.
Eu me visto de um jeito normal, calça jeans, tênis, jaqueta no dia-dia e é engraçado quando eu passo na rua as pessoas ficam me olhando como se eu fosse de outro planeta, principalmente a negada, me olham de cima até embaixo e eu quase posso escutar um "What hell are you?" ( que diabos é vc?).

Dias atrás, no Depot, um senhor veio até mim e disse "Can I ask where you from?"( posso perguntar de onde você é?). Falei que era brasileira e ele me disse que sempre me via pelas ruas do bairro e achava que eu me vestia diferente dos negros/negras que viviam por ali, pois se vestem de maneira extravagante, colocam apliques no cabelo, pintam as unhas de diversas cores e que falavam alto demais.
Conversei com ele um pouco e no final da conversa ele disse pra eu agradecer a minha mãe por ele, porque eu era muito educada e gostou muito de conversar comigo. Tá, meu senhor, arruma um emprego no Safeway que eu não vou te poupar.
Depois de muito esperar o preço baixar fui comprar o meu computador, cheguei no Best Buy e tinha uma neguinha na porta e veio correndo atrás de mim perguntando onde foi que eu comprei o meu cabelo "It's amazing, so curly, I wanna one like yours"... Peraí, moça. Comprar cabelo? Eu disse que não tinha comprado nada, era o meu cabelo. Ela não muito convencida não acreditou e pediu pra passar a mão no meu couro cabeludo pra ver se era mesmo, ficou com cara de bunda porque não podia comprar um igual. E eu descobri que os cabelos maravilhosos dessas mulheres não são alisados, são apliques muito bem feitos e que não deixam nenhum entrelaçamento aparecendo, parece realmente que são cabelos naturais.

Fuçando no youtube, descobri uma coisa que me fez rir durante horas (http://www.youtube.com/watch?v=7fPO49olPMo&feature=player_embedded) .
E por falar em vídeos, recebí alguns desse ano eleitoral. Fiquei de boca aberta quando eu vi as aberrações que estão acontecendo.
Tiririca dizia que não sabe o que um Deputado Federal faz, mas que quando for eleito ele conta. Bom, eu espero que esse cara nunca conte o quê faz um Dep.Federal, que não fique nem para suplente ou things like that. Batoré tá pensando que é bonito fazer feio no horário eleitoral "gratuito", nem tão gratuito assim. Isso sem contar nas celebridades que estão abaixo da linha das subcelebridades - os ex-BBB's ficam mais tempo na mídia que alguns panguás -  não têm mais fama como antes e contam com voto$ do$ fã$ clube$ pra $e garantir, sei lá se com o mesmo padrão de vida ou se realmente possuem propostas pra alguma coisa.
A questão é que eu não consigo ver nenhum tipo de seriedade, maturidade nesses caras. Eu não falo de maturidade mental, idade, e sim intelectual. Aposto muito se souberem algo como o PAC. Tiririca eu sei que não sabe mesmo, será que a Record resolveu demitir o abestado? Por isso que ele quer um cargo?
Essa semana, a Carol de Ohio me mandou om Vlog de um rapaz chamado Felipe Neto, uns vídeos dele são engraçadinhos, mas eu gostei de um que ele fez a respeito da política ( http://www.youtube.com/watch?v=dAQkMjebkeA&feature=rec-LGOUT-exp_stronger_r2-2r-2-HM ).
Algumas aupairs estão dizendo que este ano estão livre de eleições, eu estou procurando um consulado ou qualquer outro lugar que eu possa votar pra não colocar imbecis como esses na política.

Não tenho muita coisa pra escrever, nessa sexta-feira ( 03/09) eu vou para LA, passar a noite no Aeroporto e alugar o carro cinco da matina.
Alguém me responde o motivo de eu fazer essas coisas depois de velha?
Aguardo respostas.

That's all folks, aguarde LA.