Blogando a vida de Au Pair

E a vida continua uma caixinha de surpresas.

Uma coisa que eu aprendi nesse um ano de au pair foi: Nunca ensine uma criança a gostar de doces.
Repare que quando a criança não pára quieta, o besta do pai ou a bocoió saia torta que é a mãe tentam acalmar a situação entupindo o filho de doce e para calar a boca enfia uma bela de uma bala Juquinha na guela do moleque. Por sinal, bala Juquinha funcionava com crianças menos espertas.Uma dessa no panguazinho e o coitado passava horas degustando e tentando balbuciar algumas palavras para pedir mais para o pai .
Hoje, com criança esperta é diferente. Um iPhone resolve.
Perceba que logo depois de ingerir certa quantidade de doces a criança se transforma. Fica hiperativa.
O moleque não pára, parece até que tomou Ecstasy e foi para o terreiro tomar um passe de Pogobol. Pula pra-lá-e-pra-cá, dá cambalhota, vira pirueta, canta, assobia, chupa cana e acessa internet.
Conheço algumas au pairs por aí que caem na besteira de fazer acordo com a criança, trocando bom comportamento ao longo do dia por recompensas doces ao final do dia. Isso, tonta! Continue negociando com terrorista.

Coitadinha da au pair, nem sabe que vai levar uma enterrada de cacto no meio do furico e levar um tiro de Legos bem no meio das fuça ( é comendo o s mêmo, igual paulista).
Em uma situação de desespero como essa existe algo que pode ser feito:  Enfiar uma mangueira no toba e na guela do guri para desintoxicar.

Todo ano tem  Convenção Anual dos Capetas festa de aniversário. O pai panguazudo e a mãe sem noção decidem fazer uma big de uma festa para comemorar mais um ano vida do filho e convidam a renca daquela molecada ranhenta da escola para confraternizar.
Eu, na minha humilde opinião acho que os pais só deveriam comemorar o primeiro ano de vida do filho, todo mundo bebezinho, festinha calma e nem toca Xuxa. Não há mal nenhum.

Para os próximos anos, 3 aos 5, eu recomendo uma pequena dose de Rivotril no refrigerante da criançada, sabe comé, né! Só para garantir o bem estar do palhaço, recreadoras infantis e pessoal do buffet. Isso para as festas de ricos.
Pobre tem que fazer o aniversário fora do barraco, caso contrário vai subir na vida quando o barraco explodir.

Dos 6 aos 11 anos, nada de doces, bolo de aniversário, pula-pula, touro mecânico (pensando bem, mantenha só o touro mecânico e tenha por perto alguém que saiba fazer nó de marinheiro). Vamos levar a patota para uma sessão de descarrego. Bora lá substituir o salão de festas por um galpão, o palhaço por um exorcista e a trilha sonora será ao som do QUEEEEEEEEEEEEEIMA-QUEEEEEEEIMA...Queima ele jesus, queima ele até torrar.

( PAI, NÃO DEIXA A MÃE LER ESSA PARTE)

Eu me lembro que há alguns anos atrás a coisa não era assim. Não existia grandes produções para uma festinha de aniversário e as crianças da minha geração eram calmas.
Na minha época, o máximo que minha mãe fazia era um bolo com glacê. Sabe aqueles glacês feito em casa com manteiga e açúcar e jogado em cima do bolo duro molhado com guaraná e o recheio era com leite condensado puro? Pois é, era esse que a minha mãe fazia.
A função do guaraná era anular o gosto estranho que o bolo tinha, que mais parecia uma broa. Não contente com toda essa farofada, ainda pegava a mesa da cozinha e colocava na varanda da casa, ligava o som de Elba Ramalho no último, abria o portão para a galerinha chegar.
O auge da festa era a aniversariante, ou melhor, os trajes que a aniversariante usou na festa de dez anos. Um conjuntinho de short com camisa BEGE enfiada dentro do short ( naquela época as calças eram do centro para o peito) e um sapatinho tipo de batismo na cor BRANCO VERNIZ com o número menor do que calçava.
Claro que o charme foi o quesito CABELO que a mãe fez questão de escovar quando estava SECO enfiando um rastelo que mais parecia um esmagador de cérebro, e que não se dando por satisfeita, achou que a filha tinha testão e resolveu puxar FRANJA na criança.
Imagine uma criança com cabelo estilo Chitãozinho e Xororó na versão Black Power na porta da casa recebendo os amiguinhos ao som de Elba Ramalho e se despedindo ao som de Mara Maravilha com o bico do tamanho de um mundo, sem receber nenhum presente...Era eu!
Sim! Eu nunca, em nenhuma das festinhas de aniversário ganhei presente dos amiguinhos. Motivo era que ela fazia questão de avisar as pessoas somente quando o bolo estava pronto e o circo armado.
Pessoas chegavam e diziam "Poxa vida, nem comprei um presentinho para a Joyce" e minha mãe toda simpática respondia "Ah, não precisa. O importante é a sua presença" O.o
CLARO QUE PRECISAVA, a aniversariante era eu e pelo menos para compensar o desgaste emocional eu tinha que ter recebido algum presente.
A festa comia solta e eu no canto sem poder tirar o sapato que me matava e Elba Ramalho cantando "Pisa no meu coração, meu amor não vai doer", trilha sonora que combina demais com festa infantil.
Emocionante! Sofri bullying da minha própria mãe.

Espero fortemente que meu pai tenha conseguido ler as letras garrafais pedindo para ele impedir a minha mãe de ler isso.

PS: Para quem tá procurando os vídeos de Las Vegas e outros mais e não tá encontrando no Youtube é só me pedir que eu passo os links, deixa comentário pedindo. Eu coloquei todos os videos na opção "oculto"do youtube, ou seja, só consegue ver o video quando eu der o link.

É vergonhoso, mas eu estou há dois meses escrevendo esse post de merda.
Comecei a minha contagem regressiva para voltar para casa.

Para começar o post devo dizer que decidi ser aupair por mais um ano. Antes que você pense em completar a sua frase eu já adianto que louca é a sua mãe.
Gostei dessa história de ser aupair de cinco e renovei com a mesma família. Louca, pero no mucho. Não contente em estrepar um ano, decidi ficar mais um ano, só para fazer tuu-uudo de novo. Não é romântico?

Deza já voltou para o Brasil. Pra quem ainda não sabe, nós fizemos treinamento juntas, torramos em Las Vegas, nos estrepamos em LA, dormimos para fora do hotel, pagamos pulinho na praia, e negamos o Hi5 do negão.
Pena que eu não vou ter mais companhia para as viagens toscas, não vou ter mais quem concorde comigo quando o assunto é gente feia e lugares que todo mundo acha o máximo e que odiamos e principalmente que eu não vou mais poder tirar sarro da touquinha de meia calça que ela, ANDREZA MENDES, coloca para dormir. Ela fica lindinha, parecendo o Seu Boneco ( que hora que é a merenda, chefia?).

Ah, que é mais um ano, né?Estão dizendo por aí que minha cabeça está na minha bunda, esse, segundo pessoas, seria o motivo pelo qual eu só faço merda.

Finalmente consegui passar no teste de direção em SFo, um porre da moléstia. Depois de dois testes mal sucedidos, um quase atropelamento da gordaça da bunda grande.

Na semana do Spring Break a família decidiu viajar durante 10 dias e eu fiquei para fazer outras coisas...10 dias sem o quinteto, isso sim é que se pode chamar de semana santa, semana da aleluia, natal e ano novo junto.
Minha páscoa foi diferente como todas as datas comemorativas desse país é diferente. Fui para um almoço na casa da "NeyNey".
Realmente, esse povo daqui é muito polido e passam os dias de páscoa e break da escola com os filhos, curtindo a família e coisas do tipo. No Brasil ( lá vem), as pessoas costumam correr para o supermercado mais perto para brigar por um ovo da páscoa que custa $25 dinheirinhos. Isso é muito dinheiro para gastar em um pedaço de chocolate que pode ser feito em casa e ainda por cima, fulano fica todo excitadinho para gastar esse tanto para comprar ovo para toda a família.
Tem namorado besta que corre para comprar ovo para a namorada "Diamante Negro" por $30. Qual é? Os ovinhos que você tem não está satisfazendo a namorada? Precisa de um terceiro?
Essa mesma panguazada que compra o ovo carérrimo é a mesma que volta no supermercado depois que a bagunça acabou para comprar os ovos que quebraram que ficam mais baratos depois da páscoa, achando que é econômia.

No mesmo dia de páscoa decidi ir mudar o cabelo. Fui em San Rafael para relaxar as madeixas e assim que entrei no salão eu vi a cara de "Minha nossa senhora, que é isso?" da cabeleireira quando eu disse que queria relaxar o black power. Ela só precisou usar quatro tubos.

Okay, vamos parar de encher a linguiça e trabalhar um pouco nisso aqui.

Tudo está indo bem, obrigada. Algumas mudanças, algumas doloridas que já passaram. Tenho conhecido pessoas legais, isso significa que eu deixei de ser bunda mole e comecei a sair um pouquinho mais.
Eu já elegi o meu ponto de encontro com alguns amigos. Matrix, que fica ali na Fillmore. O critério de eleição foi: Lugar mais ou menos limpo, ar condicionado, Fumar é proibido e é de graça para entrar. Opa! É aqui mesmo que vou empacar o meu burro, toda sexta-feira estou lá, tanto que fiquei amiga dos seguranças negão que tem por lá. Eu chego e nem preciso mostrar minha identidade, eles já me avistam e soltam "Hey Gorgeous, gimme a hug" e entro.
É um bar dançante, certo? Mas isso não significa que eu tenho que beber, porque eu não tenho costume de beber. Comemorei os meus 28 anos lá, essa foi a primeira vez que eu pisei naquele lugar e fiquei tão entendiada e fui na pizzaria da frente comer um pedacinho, a fome já estava querendo corroer os meus ossos. Quando voltei minhas duas amigas estavam conversando com alguns rapazes...Ops! Eu acho que perdi alguma coisa, deixa eu encostar aqui nessa muretinha e fazer par com ela.
Não existe coisa mais humilhante do que ficar de vela quando amigas estão se dando bem e eu encostada na muretinha fingindo cara de conteúdo em um lugar que só tinha gente mais ou menos bêbada. Na verdade é difícil distinguir quem é bêbado e quem não é bêbado, as pessoas dessa cidade são naturalmente malucas e agem como retardadas.

Ainda continuando a dança com a muretinha do bar chega um negão e me diz "Hey, my friends thinks you are gorgeous"..
Ah, claro, eu sou completamente exuberante. De duas, uma. Ou esse seu amigo deve estar prá lá de Botucatu ou deve ser filho do Stevie Wonder.
Partindo do ponto que em algumas partes desse país os negros só andam encangados um no outro e vendo que o nêgo era bonito, eu, pessoa que faz as mais absurdas deduções, deduzi que o amigo dele era negão e que deveria ser bonito ou tão mais bonito que ele e disse "Sure, where's your friend?"
Pra quê eu disse isso? Pra quê? Me chega um gordin, Catalão, até que engraçadinho. O negão foi embora e eu fiquei chupando dedo e o gordin conversando comigo.
A pior coisa  foi quando eu cai na besteira de dizer que eu era brasileira. O cara arregalou um sorriso do tamanho de um mundo, jogou as em cima dos meus ombros, e eu já me esquivando que qualquer coisa que o gordin poderia fazer, chegou mais perto de mim (e eu já pensando que o ogro ia me beijar e eu ia virar Fiona)  e soltou: "Ronaldinho Gaúcho"!
Me senti tão gostosa naquele momento, imagine como é gostoso um cara olhar para você e dizer "Ronaldinho Gaúcho". Já me imaginei com aqueles dentes saltados para fora, aquela bandana na cabeça e pernas arqueadas  e bola no pé... Quase que eu enfiei a mão no suvaco para ver se estava fedorento.
Como não bastasse, o amigo começou a gritar "Barcelona, barcelona" e eu pensando qual seria o melhor momento para vazar dalí sem que alguém veja. Não consegui sumir de lá antes que ele me contasse todo o amor que os espanhóis têm pelo Ronaldinho Gaúcho. Colocava uma mão no peito e falava do Gaúcho como se estivesse pronto para ouvir o hino nacional. Pensava eu que corintiano era maluco.
Me esquivei do amigo e decidi ir embora, foi quando ele catou a minha amiga pelo braço e pediu o meu telefone e ela deu...merda!
Semana seguinte recebo uma mensagem que eu nem sabia de quem era, mas logo me dei conta que era do espanhol: "Hi, nice to see you at Matrix. BTW, you wanna watch the European Soccer League with me on Saturday?"
Quem mais me convidaria para assistir ao jogo Final do Barcelona x Manchester United em um bar? Ok, falei que ia mas eu não fui. Migué da aupair.

Mudando de assunto...
Fui à 100°Bay to Breakers, uma corrida que todo mundo sai fantasiado ou pelado. Fotos no final do post


Decidi que um dia eu vou casar. Não, não estou doente e acredito que isso não é mal passageiro. Todo mundo precisa de um cobertor de orelhas, todo mundo precisa juntar a escova de dente e todo mundo merece levar uma encoxada que não seja de um estranho no ônibus.
De certa forma, durante algum tempo eu tenho deixado essa parte da minha vida de lado, mas eu decidi que não vou deixar isso de lado mas que também eu não vou dar importância extrema para isso, ou seja, não vou ficar pensando dia e noite sobre isso feito beata louca para casar e nem menosprezar e deixar isso de lado. Vou apenas observar mais as minhas opções e dar oportunidades.

Desde que eu comecei a pensar desse jeito, na minha horta começou a chover... granizo e dragão dos brabos, igual o granizo do Vartin que demorou 45 dias de calor intenso para derreter.
Puta que merda! Só nêgo fubazento, careca e sei lá se dei o azar de algum ser sem dente. Desde que comecei a sair mais de noite ( não necessariamente balada) isso tem acontecido, um pede o telefone aqui, o outro ali e aí quando me mandar torpedo eu dou uma de Maria-sem-perna ( feminino de João-sem-braço)e não respondo. Ah, mas eu não respondo mesmo.
Vamos ver o que acontece...Estou aceitando os currículos e fazendo seleção.



Algumas fotos do bay to Breakers.. ( é, eu sei que esse post tá uma merda, prometo que o próximo vai ser mais interessante, vamos ver em quantos jogos do Barça eu vou ter que ir)








Agora eu posso usar uma peruca black power..













Dez!

Dez meses, muita coisa se passou e parece que foi ontem. Ainda sinto o mesmo ventinho gelado no furico quando eu cai de bunda pra cima em San Francisco, pois é, uma doce lembrança.
Pois é, esse post comecei escrevendo em Fevereiro.
Eu poderia demorar mais um pouquinho, mas decidi logo colocar a cabeça pra funcionar antes que eu esquecesse de tudo mesmo que eu não tenha nada de legal pra escrever, decidi então vir aqui e encher linguiça ( sem trema na linguiça).

Tenho andado muito cansada, triste por algumas vezes, confusa e indecisa mais do que o habitual.
Muita coisa acontecendo com o meu ano acabando aqui em Cali ( California).
Eu tenho só mais 07 semanas aqui. Toda semana, Deza me faz o favor de colocar uma contagem regressiva no msn dela.

Damn it! Confesso que queria ficar aqui pra sempre.
Tenho me dobrado do avesso pra cumprir toda a minha schedule, ainda mais agora com coisas de cinco kids pra cuidar e o curso na faculdade que me toma o dia todo durante dois dias na semana.
Ao contrário de que você lê e interpreta, não, eu não estou reclamando, apenas comentando.

Estive pensando no sofrimento que toda aspirante aupair tem ( como pode existir aspirantes para uma classe tão baixa?) Existem os aspirantes de pedreiros, chamados de oreia seca, os motoristas são  chamados de barbeiros, as aspirantes de manicures são açougueiras, e até aspirantes a comediantes que são chamados carinhosamente de figurantes gostosas do Zorra Total.
Toda profissão tem os estagiários, mas aupair é escragiária, nenhum adjetivo classifica melhor essa classe.
Durante muito tempo eu fui a aupair mais desocupada que existiu nas redondezas. Hoje, tenho tentado achar uma vaga no meu horário para lavar os cabelos.

Em uma dessas minhas fuçadas na internet entrei no Facebook e vi a nova garota propaganda da cerveja Devassa.
Super "combinante" com comercial de cerveja.
O comercial foi legalzinho, mas seria ótimo se ela não tivesse dado aquele sorrizinho mela cueca que ela tem.
Eu nunca fui fã. Não escuto as músicas pois eu acho que  ela não tem o tipo de voz que eu gosto de ouvir.
Eu parei de tentar dar algum crédito quando eu ouvi uma da dupla que dizia assim: "O que é imortal, não morre no final" O.o Sério?
Ah, who care? Ela continua ganhando milhões.

Algumas semanas atrás eu soube que ia ter um "carnaval" nas cidades próximas de onde eu moro.
Fiquei super empolgada pra ir e convidei algumas meninas de outros países pra conhecerem a festa.
Ainda não entendo a causa disso ter acontecido se eu quando estava no Brasil nunca fui de carnaval e menos ainda gostava.
Foi o samba do crioulo doido de tanto reboliço que eu fiz para as meninas irem comigo.
Domingo a noite ( o que uma pessoa faz no domingo de noite na rua?), chegamos ao local e eu passei carão.
O lugar estava vazio, meia dúzia de gato pingado bebendo em um canto e o carnaval da BAHIA rolando solto... quis dizer, não estava rolando e sim quase parando.
Ao contrário do legítimo carnaval baiano no Brasil, o carnaval baiano de Fairfax estava representando a típica moleza de alguns baianos. Os rapazes que estavam tocando viram que a animação do lugar estava mais para funeral  e pra tentar melhorar a situação, resolveram pegar um berimbau e chamaram todos que estavam no bar para assistir uma demonstração de capoeira, não esquecendo de detalhar que o frio estava a quase zero.
Fui dar créditos para os caras, como não? Não entendo o motivo de eu ter dado créditos.
Comecei a ficar muito puta quando eu vi a cambada gingar capoeira em slowmotion, devagar, quase parando como um bom representante da terra de São Salvador.
Eia, cambada mole. Minha vontade era de dar uma ripada no lombo dos que estavam gingando e enfiar um berimbau com arame farpado no orifício rugoso de quem tocava aquela merda de tamanha que era a minha gastura de ver capoeira no estilo Matrix.

Acabei ficando, uma amiga estava gostando de beber cerveja, tanto que ela insistiu que provei no copo dela. Fui provar pra quê? No dia seguinte eu estava com a garganta inchada e tudo coçando.
A minha dúvida era se aquilo era cerveja ou xixi do capeta, pois a sensação que eu tive foi que um dos baianos estava com preguiça de levar cerveja e resolveu dar uma chegadinha na encruzilhada pra levar um lero com o demo "E aí seu capeta, faz quantos dias que não mija? Enche o galão aí"

Esse carnaval foi o oposto do carnaval da Bahia que sempre vemos na TV.
Nos dias de carnaval a gente vê aquele povo feio se transformar atrás do trio, economizam forças o ano inteiro para gastar nos dias do carnaval.
Dias intermináveis, nenhuma programação decente na TV. É carnaval na Band, Globo, Record com a sessão de descarrego, e quando eu penso que nada mais pode piorar, eis que pulo um canalzinho e dou de cara com a procissão do demônio com centenas de pessoas dançando despirocadamente atrás do trio elétrico.
Eu reparei que a maior parte dos micareteiros mais animados são as pessoas de outros Estados, os baianos têm fama de serem devagar.
Mas aí falam que o baiano só fica mais rápido e deixa a preguiça de lado na época do carnaval. Isso na verdade é uma tremenda injustiça, porque não é o carnaval que pode deixar o povo mais ágil.
Pega um Pogobol. Pica. Mistura no acarajé da baiana. Dá para o baiano comer. Espera. Vamos ver se o baiano não vai pular três dias sem parar.

A situação sempre piora quando surge do meio daquele povo suado meninas que geralmente foram de SP para Bahia, mas que antes disso tomaram aulas de axé para não fazer feio  ( sonho meu, sonho meu).
Depois que conseguem requebrar como as dançarinas de banda de axé, achando que estão aptas, pegam o primeiro pacote turístico para o inferno e lá vão desembestando as bestas para Salvador.
Vão de ônibus, claro! Pobre gosta de fazer turismo para ver as "paisagi" e economizar para comprar souvenirs.
Antes mesmo de cair na folia ou pensar em tomar um banho, todo turista babaca aspirante micareteiro vai fazer o quê? Vai querer ser baiano e enfiar quilos de tererê nos cabelos. 
Não contente com o universo de cores em um tererê, tem sempre um noção do grupo  quer ir ali pra comprar umas fitinha pra colocar nos pulso ( bem comendo o s mesmo, é assim que paulista fala). Depois disso resolvem colocar melhor shortinho no estilo Carla Perez, sem esquecer do tradicional abadá. Antes de oficialmente seguirem despentelhadas atrás do trio, a panguazada vai se alimentar de acarajé, claro. 
Não é o suficiente passar vergonha com a dança ( ou não dança), abadá, tererê e fitas do Bomfim, querem também um borrão de bosta nas calças. Saem dançando segurando a diarréia fazendo cara como se estivesse com um cacto enfiado no rêgo.

Balançando, cotovelando todo mundo, balançando cabeça enfiando cabelo na cara de quem tá atrás.
Só esqueceram de avisar que lá é Bahia e que deveria se dançar ao som de Ivete, e não rodar o peão espalhando caspa e seborréia por todo o canto. Tá no lugar errado, meu bem. Seu lugar é lá no Pará junto com aquela praga da Joelma e Stéphany ( não duvido nada que tenha um H no final do nome dessa coisa).
É isso que acontece com paulista marmota. Depois fica com trauma e elege para o próximo ano um carnaval em Minas.
Que diferença faz? Só não vai ter acarajé.
 

Essa semana, o caçula me viu arrumada para ir para a academia e me perguntou onde eu ia, respondi que ia para a academia queimar algumas gorduras, ele me olhou, fez uma cara de espanto e respondeu "Eu gosto tanto de você. Porque você quer se queimar?" O.o

Lola chegou, toda fofa, beijoqueira e totalmente fitness. Sim, a garota de dois anos que mal fala é fissurada em escadas, chegou, viu as escadas, segurou na minha mão e lá vamos nós subir e descer as escadas sem propósito algum durante vinte minutos. Come e começa a correr em círculos pela ilha que tem na cozinha, umas três voltas, toda vez é assim, come e corre ou sobe escadas. Ela gosta de pegar em tudo aquilo que é bom...Rímel e dinheiro estão entre os seus favoritos e três dias após chegar, ela já falou sua primeira palavra. Mamãe, papai? Nada, isso é coisa de criança sulamericana. A primeira palavra dela foi: Sapato! Aposto a minha vó que a segunda vai ser "Armani" ou "Yves Saint Laurent"

Meu dia de natal foi bom, obrigada! Série de acontecimentos e risadas.
Na cultura norte americana não há costume de esperar o dia 25 chegar igual no Brasil que fica todo mundo aluado, esbugalhando os olhos de sono, se entupindo daquela rabanada gordurosa polvilhada com açúcar cristal e canela em cima daquele pão amanhecido de três dias. Esse ritual todo é só para esperar virar o dia 24/25 e ver uns fogos bobos. Yey, é só isso cambada! Bora dormir que amanhã tem churrasco o dia todo, você gastou o seu décimo terceiro ( ou seria péssimo terceiro?) inteirinho para comprar bebida e carne pra encher o pandú da pobraiada vai que se debandar até sua casa para comer de graça e sacudir a pança com os pagodinhos mais cornos mela-cuecas que já se ouviu e no meio da festa ( festa?) depois do povo ter bebido e comido de monte, todos prontos para deixarem o recinto e fazer com que a paz seja reestabelecida na vizinhança, tem sempre um filho da puta que tem o toba ligado nos 220V que coloca Negritude Jr pra tocar. Daí a galera delira, recupera o fôlego soltando um  "uhuu" renascendo das cinzas como Fênix, colocam as mãos para o alto para ouvir aquela música que nunca mais deveria tocar em nenhuma carrapeta. O ápice é quando a negada se une num coro para cantar o hino de admissão para o inferno, regido pelo cramulhão "Tô chegando na Cohab, pra curtir minha galera..."Vai ficar legal, pagode na Cohab no maior astral, em frente à lanchonete". Nisso junta também a galera que não estava na festa, mas que ao ouvir a música incorporou o espírito de porco e foi se juntar ao povo que já estava na festa. Dependendo do Estado isso vai até quatro ou cinco da manhã, menos na Bahia.

Diz a Bíblia sobre Deus, que se houver dois ou mais reunidos em nome de Deus, ali  Ele estaria. Mesmo que houver só um cara, com uma cerveja na mão andando num gol bolinha 97 comprado no leilão, usando cinto na cor caramelo combinando com o sapato na mesma cor, com cabelo raspado deixando somente um pequeno topete emplastrado de gel, perto de alguma situação rotineira/tosca que pudesse virar um pagode, e ainda estando perto qualquer coisa que se possa batucar, seja uma mesa, cadeira ou uma caixinha de fósforo, ali estaria o Netinho.

Quer coisa pior que isso? Sim! Sempre tem um que gosta de deixar a festa mais pobre ainda "Ei, vamo ali no VAL mart ( wall mart) comprar morango, leite condensado e sidra cereser para fazer uma batida". Ai não contente, a pobrona do outro lado dá um grito e acena com aquele suvaco flácido balançando "Não compra sidra, tá caro. Compra o Sangue de boi, galão de "treis litro" e o resto cê compra de linguiça Marba. Ah, "trais umas Coca tamém que é para desentupir o vaso. Pega a belina do Zé que a Brasília do Jão não tá fechando a porta"

No ano novo a coisa é mais ou menos parecida, vai todo mundo fazer farofa na praia, pular sete ondinhas, e jogar oferendas para iemanjá... (Laugh so hard) Como se iemanjá fosse mesmo se importar com as oferendas que são dadas na Martim de Sá ou Praia Grande. Ela foi para Ibiza e não volta mais.
Acredita mesmo você que iemanjá passa por Caraguatatuba e Praia Grande?  Don't be besta, o máximo que passa por lá é um vulto e ainda você pode ganhar é um caco de vidro no pé do champagne da Sidra Cereser do reveillon de 2009.

No natal ( dia 25) eu fui para Orinda, na casa dos pais da host da Ana, quarenta minutos dirigindo em uma chuva medonha. A casa era fofa, pequena, aconchegante, maior climão de natal, cheia de gente, muito bom. Ana precisava falar com os pais e foi usar o computador em uma sala que ficava de frente com a hot tube.
Em um frio da moléstia, eis que eu vejo um cara peladão andando do lado de fora, depois mais um e outro. Todos entrando na hot tube e fumando maconha. Eu poderia ter ficado contente por esse "presente" de natal, mas não, eu fiquei foi é muito constrangida e muito puta da vida. Foi a visão do inferno em dois minutos. Transparentes, sem bunda ou qualquer outra coisa que poderia se chamar de músculos. Custa comer um pouco mais pra ter carne no corpo?
Bebi três tacinhas de champagne, logo depois comemos e depois disso Ana e eu decidimos vazar. 
Eu nunca bebo, só por causa disso as coisas começaram a acontecer. Liguei o carro, acendi as luzes, acelerei..."Ana o carro não anda", claro, eu não ia conseguir mesmo dirigir com o carro na marcha P (parking=estacionado), eu tinha que colocar na marcha D (drive=dirigir).
Pegamos o caminho de volta que deveria durar 40 minutos se não fosse o GPS que me fez dirigir durante duas horas. Nesse percurso tenho que confessar que fui parada pela polícia foi só porque eu fechei o carro da polícia. Vamos embora. Eu prefiro ter um filho viado do que ser parada pela polícia de novo...Ai, ai, ai , Joyce, de novo, você esqueceu de acender as luzes do farol, encosta o carro e vai conversar com o cop. Pelo menos eu não vou ter um filho viado. Fui parada duas vezes em menos de duas horas.
Em todos eu não levei nenhuma multa, eles me disseram "Ok, Xmas time, go home if I catch you again, I promisse you I'm gonna catch your car and I'll give a ticket, make sense?" Foram simpáticos os cops.

Comecei o ano indo para festa de aniversário.  A festa foi em uma Lego Land, ou seja, uma sala com dois ambientes, cheio de crianças e Legos. Criança e Lego é uma combinação cruel. O quê é mais perigoso? Um Lego entalado na sua guela ou uma criança com um saco de Lego nas mãos pronta pra te atacar.
A criançada é meio louca por isso nesse país, tudo pelas infinitas montagens que se pode fazer com isso. Espero, do fundo do meu coração que eles nunca construam um nabo, deve ser desconfortável a beça um nabo de Legos entrando com todas aquelas pontinhas viradas pra fora.
U-um! isso não é uma combinação legal, deixa eu picar a minha mula rapidinho...hmmm, croissant, vou ficar.
Na festa tinha alguns instrutores, um deles depois da festa veio conversar comigo e me disse "My babysitter has a hair like yours"...É mesmo? E?
Se tem uma coisa que faz a aupair entrar no seu inferno astral e antecipar a TPM, o nome disso é Lego.
Uma criança diz "Hey, let's go play with Legos", por favor, não vá, a criança deve ter construido uma metralhadora de Legos que lança Legos e quer testar em você.

Por fim, me ferrei de novo comprando calcinhas, fui no GAP e estavam em promoção, peguei tamanho M, cheguei em casa, vesti, parecia que eu tinha feito cocozinho, ficou uma trouxinha solta na bunda.
Tomei!

About me (por Tom)

Joyce Galindo é uma semi-balzaquiana ( não existe SEMI neste caso), melhor dizer que sou uma velha de e tenho 28 anos, carioca com sotaque paulista( meu). Exigente por defeito genético, tentou passar na fila da exigência mas vezes, como não deixaram, ela foi buscar os seus direitos no atendimento ao consumidor. Chata pra cacete e detesta quando as pessoas usam o "Mim" antes do verbo, tendo até mesmo coragem de corrigir quem quer que seja em qualquer situação ( não é bem assim), deixo de lado os comentários que ela faz quando alguém "está tendo que usar o gerúndio". Já fez campanhas na empresa para o " Bom uso e emprego da palavra Literalmente", literalmente falando é díficil de aguentar (ops, empreguei a palavra errada, foi?).

É Formada em Marketing, decidiu ser aupair. O motivo? Segundo o que ela diz " Experiência Internacional, além de ser um MEGA up na carreira, é chique" - Mentira dela, na verdade ela sabe que os "mano pira nas mina poliglota"

E para muitos e principalmente para mim os motivos são:

" Essa daí? É louca de pedra por parte de pai e mãe" - Ana Paula

" Non-sense total" - Rafael

" Ela vai comprar Victoria Secrets e Guess mais barato que eu?!" - Paulão (what?!?! O.o).

"Agora que ficou internacional vai ficar díficil de aguentar, ela vai me corrigir no inglês também?" (vc ainda tem dúvida?) - Fábio R.


Vamos ver como é que ela vai voltar dessa MEGA expêriencia.




Seguidores

Você passou por aqui