Blogando a vida de Au Pair

E a vida continua uma caixinha de surpresas.

Para quem conhece o título, isso soa familiar. Para quem não conhece, Google!

Não poderia ter um melhor começo. Paris!
Terra das pessoas elegantes, peças de roupas colocadas aleatórias para quem vai trabalhar pela manhã ou somente sair para dar uma volta. Se o mundo da moda é ditado por aqui, eu devo te dar um conselho: Enfia qualquer pano no corpo, coloca uma scarf bacana,  um sapato estranho, cabelo amarrado tipo coque mal feito, um óculos "Harry Porter" e um cigarro de dois metros na mão que você está "fashionmente" aceita para andar em qualquer rua do mundo.
É assim que as pessoas se vestem por aqui.

Amei, mas não moraria em Paris. Aqui, o perfume e o cigarro se misturam em uma combinação bombástica.
De cada 15 pessoas que se encontra em uma viela, 14 fumam, e o outro restante é uma criança.
Morando nos US durante dois anos foi o suficiente para desacostumar com a cultura latina de que os homens olham e mexem com a moça, chegando aqui, o maior susto foi saber de que homens aqui mexem com a moça e vão atrás para conversar. Eu conversaria durante horas com pessoas aqui, mas isso não foi possível devido à saúde bucal de alguns indivíduos. Devido a quantidade de fumo, os dentes chegam a ser marrons, o hálito horroroso e você só tem vontade de correr daqui.

Dois dias em Paris foi o suficiente para ter essa conclusão.
Estive hospedada bem no gueto, e ontem eu tive a brilhante ideia de sair para comer as 23h...Conhece o "The Flash"?  Corri mais rápido que ele quando um grupo de prostitutas veio correndo atrás de mim pensando que eu também fosse uma prostituta querendo roubar os clientes delas. Isso aconteceu porque quando eu passei, os rapazes que estavam conversando para acertar o babado, pararam de falar com ela e vieram atrás de mim, pensando que eu fosse uma também ( antes que fosse pense o errado, eu devo dizer que estava vestida com uma roupa decente, o que significa que as prostitutas daqui se vestem MUITO bem, na maior estica.), falei que eu não era uma delas, mas as mocinhas não entenderam, só pararam de correr atrás quando eles gritaram "il est un touriste" ( ela é turista).

Primeiro pensamento que eu tive foi que Paris é igual São Paulo, gente zuada com cara de corintiano maloqueiro, gente porquinha que joga lixo e bituca de cigarro no chão e metro super lotado. Tem muito churrasquinho grego por aqui. O suvaco de algumas mulheres é só pêlo, e nem fiquei grilada de andar com as pernas sem depilar por aqui.

Tirei foto em todos os lugares possíveis, mas não deu para fazer tudo, volto depois para visitar o Museu de Rodin e etc.

Tá na hora de pegar o avião para Chamonix, que é perto da Itália, vou ver se consigo dar um pulinho para comer um macarrão da mama.





Foram dois anos e dois meses nos US vividos com muito prazer e alegria.
Se você um dia me perguntar se ter sido au pair foi bom, eu te responderei que é inexplicável, mas que foi experiência e tanto, ah, isso foi. E se você perguntar se eu aconselharia alguém a fazer isso, eu responderia que, se fosse possível, eu daria uma passagem para cada pessoa que me dissesse que quer fazer um intercâmbio. Se uma palavra pudesse chegar perto de ser uma explicação, essa palavra seria: Surreal!
Foram os dois anos e poucos mais bem vividos que eu já tive.


Se melhorar...vira festa!

Agora, morando na Bélgica...vamos ver no que vai dar.

About me (por Tom)

Joyce Galindo é uma semi-balzaquiana ( não existe SEMI neste caso), melhor dizer que sou uma velha de e tenho 28 anos, carioca com sotaque paulista( meu). Exigente por defeito genético, tentou passar na fila da exigência mas vezes, como não deixaram, ela foi buscar os seus direitos no atendimento ao consumidor. Chata pra cacete e detesta quando as pessoas usam o "Mim" antes do verbo, tendo até mesmo coragem de corrigir quem quer que seja em qualquer situação ( não é bem assim), deixo de lado os comentários que ela faz quando alguém "está tendo que usar o gerúndio". Já fez campanhas na empresa para o " Bom uso e emprego da palavra Literalmente", literalmente falando é díficil de aguentar (ops, empreguei a palavra errada, foi?).

É Formada em Marketing, decidiu ser aupair. O motivo? Segundo o que ela diz " Experiência Internacional, além de ser um MEGA up na carreira, é chique" - Mentira dela, na verdade ela sabe que os "mano pira nas mina poliglota"

E para muitos e principalmente para mim os motivos são:

" Essa daí? É louca de pedra por parte de pai e mãe" - Ana Paula

" Non-sense total" - Rafael

" Ela vai comprar Victoria Secrets e Guess mais barato que eu?!" - Paulão (what?!?! O.o).

"Agora que ficou internacional vai ficar díficil de aguentar, ela vai me corrigir no inglês também?" (vc ainda tem dúvida?) - Fábio R.


Vamos ver como é que ela vai voltar dessa MEGA expêriencia.




Seguidores

Você passou por aqui